Os Três Pilares: a gestão pernambucana com resultados

A revista Negócios PE divulgou no dia 15 de outubro de 2014 uma “edição especial e histórica” com o título: “O CEO Eduardo”.  Dentre as matérias abrangidas pela revista, destacamos “Os três pilares”, em referência aos três pactos (saúde, educação e segurança) criados durante o primeiro mandato do ex-governador Eduardo Campos em Pernambuco.

A matéria traz uma entrevista com o Secretário de Educação e Esportes, Ricardo Dantas, o qual aponta o bom desempenho do Estado nos resultados obtidos nas avaliações nacionais e algumas das principais ações desenvolvidas pelo Pacto pela Educação, que teve seu início em 2011 com a chegada dos Gestores Governamentais de Planejamento, Orçamento e Gestão na Secretaria de Educação e Esportes.

Leia a matéria completa aqui: Os três pilares

Anúncios

Com foco na gestão, Pernambuco tem a maior melhora no IDEB e ocupa a quarta posição

A gestão transformadora que mostra resultados!

A gestão transformadora que mostra resultados!

Nesta sexta-feira, foram divulgados os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2013. Pernambuco teve papel de destaque nos resultados mostrando melhoras substanciais no índice responsável por avaliar a qualidade da educação no Brasil. Hoje, o secretário da Educação de Pernambuco, Ricardo Dantas, destacou o importante trabalho que vem sendo feito através do Pacto pela Educação, política pública de educação do estado. Os gestores governamentais de planejamento, orçamento e gestão têm grande responsabilidade no desenvolvimento da política.

Atuando desde 2011, o Núcleo de Gestão por Resultados na Educação participou da formulação das diretrizes e indicadores do Pacto pela educação. Além da apresentação elaborada bimestralmente com os principais indicadores de cada escola e gerência regional, os gestores governamentais contribuem realizando diagnósticos e reuniões de gestão com os gerentes regionais e com a equipe gestora das escolas prioritárias. As escolas prioritárias são aquelas com resultados inferiores que precisam de um apoio maior para conseguir melhorar o processo de ensino aprendizagem e dessa forma alcançar resultados mais elevados. Inclusive algumas das reuniões com os gestores escolares acontecem na própria unidade de ensino, onde o gestor governamental tem a oportunidade de elaborar uma análise comparativa entre os indicadores da escola e sua estrutura física, equipe administrativa e pedagógica e os próprios alunos. Auxiliam na elaboração de planos de ação para resolução dos problemas encontrados e na disseminação da gestão voltada para resultados.

Os resultados na Educação são mais lentos, mas já observamos melhorias muito significativas como a redução da taxa de abandono dos estudantes que em 2007 era 24% e em 2013 passou a ser 5,4%. Outro resultado recente, divulgado hoje, que comprova os avanços na educação em Pernambuco é o do IDEB 2013. Pernambuco passou de 16º no ranking nacional do Ensino Médio, que é o foco do Pacto pela Educação, para 4º lugar com o resultado de 3,6 alcançando a meta do MEC para 2015. Foi o estado da Federação que mais cresceu de 2011 para 2013, com 16% de crescimento.

Além disso, os gestores escolares, com o auxílio dos gestores governamentais, conseguem hoje focar os esforços onde realmente é necessário, envolvendo os professores e equipe gestora em projetos voltados para todos os alunos mas com atenção especial para os que possuem desempenho inferior.

O Núcleo de Gestão por Resultados na Educação é responsável pelo acompanhamento e monitoramento das metas prioritárias da Secretaria de Educação. As reuniões, com a presença do secretário, secretários executivos, assessores e gerentes, acontecem semanalmente e têm como pauta as deliberações geradas nas reuniões de monitoramento com o Governador e o acompanhamento da execução das metas prioritárias. Objetiva também destravar processos licitatórios, jurídicos e administrativos.         Constata-se a importância dessas reuniões conduzidas pelo Núcleo de Gestão a partir do momento que observamos uma série de ações concluídas no âmbito da Secretaria. Podemos destacar como frutos desse monitoramento a abertura de diversas licitações e conclusão de processos nas áreas de infraestrutura, pedagógica, merenda, material escolar e tecnológico para as escolas.

Reuniões do Pacto pela Educação nas Gerências Regionais de Ensino de Pernambuco

O Secretário de Educação e Esportes, Ricardo Dantas, junto com sua comitiva, incluindo os analistas e gerentes da Secretaria de Planejamento e Gestão, iniciou em maio as reuniões do Pacto pela Educação nas 17 Gerências Regionais de Educação do Estado. As reuniões têm como objetivo firmar o compromisso do Pacto pela Educação junto à sociedade, falar sobre as ações desenvolvidas, os resultados obtidos em 2013, bem como o planejamento para o ano de 2014.
Após as reuniões, a Secretaria de Planejamento e Gestão, junto com as Gerências Regionais de Educação se reúnem com grupos de diretores de escolas para a apresentação dos resultados e discussão de ações específicas para a melhoria do ensino.
A reunião do Pacto pela Educação na regional do Sertão Sub-Médio São Francisco teve nota publicada no blog de Assis Ramalho.

“A valorização da carreira já é uma realidade em Pernambuco”

"Acredito que ainda vamos crescer muito"

“Acredito que ainda vamos crescer muito”

Primeiro analista de planejamento, orçamento e gestão de Pernambuco a assumir cargo de Secretário Executivo acredita no crescimento e vislumbra um futuro promissor para os gestores públicos

Neste mês de janeiro, nenhuma notícia soou melhor aos ouvidos dos analistas de planejamento, orçamento e gestão de Pernambuco do que a nomeação de Severino de Andrade ao cargo de Secretário Executivo de Gestão por Resultados, substituindo Bernardo D´Almeida, que estará à frente da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

Severino tem 30 anos, é formado em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco e pós-graduado em Gestão Pública pela UFRPE. Natural de São Lourenço da Mata, onde reside até hoje, começou sua carreira na área pública como funcionário da Caixa Econômica Federal. Em 2009 concorreu ao cargo de analista de planejamento, orçamento e gestão. No ano seguinte, iniciou um grande desafio junto ao Núcleo de Gestão por Resultados na Defesa Social (NGR-SDS): trabalhar no diagnóstico e monitoramento das áreas integradas de segurança estruturadas pelo Pacto pela Vida (PPV), plano de segurança desenvolvido pelo Governo do Estado que reduziu em 60,88% a taxa de CVLI por 100 mil hab. de Recife, passando de 73,67 em abril/07 para 28,82 em dezembro/13.

Desde então, Severino vem se destacando pela seriedade e espírito de equipe.  Como analista, acompanhou as áreas do Sertão e da Capital no PPV e foi gerente geral de Gestão por Resultados nas Secretarias de Saúde e de Educação. As experiências fizeram Severino acumular um capital único: conhecimento e capacidade técnica para estar à frente de uma das secretarias executivas mais importantes do Estado, a Secretaria de Gestão por Resultados (SEGR), que coordena os três Pactos: Pacto pela Educação (PPE), Pacto pela Vida (PPV) e Pacto pela Saúde (PPS).

Diante do desafio grandioso, o novo secretário reconhece: “conhecimento e capacidade técnica são mais fáceis de adquirir, dependendo apenas de dedicação. Já a capacidade de articulação é algo mais complexo que envolve, além de muito trabalho, tempo e capacidade de ouvir e expor ideias. Alguns articuladores são magistrais, como é o caso de Bernardo D’Almeida (secretário anterior). Espero ter aprendido o suficiente com ele para fazer este trabalho continuar dando certo”.

Sobre o crescimento da carreira no Estado, Severino, que recentemente estampou as páginas da revista “Você S/A” em reportagem sobre a profissionalização da gestão pública, avalia: “temos que medir nosso crescimento em função da qualidade do nosso trabalho. A valorização da carreira não pode ser medida apenas pela quantidade de cargos em comissão ocupados e sim na expansão de nossa capacidade em assumir novas responsabilidades”.

A AAPOG conversou com o novo secretário para saber um pouco mais sobre o trabalho realizado nos Pactos e as expectativas para o futuro da carreira. Confira a entrevista:

Depois de atuar nos três núcleos de GPR, Severino abraça a missão de participar da coordenação dos três pactos em PE

Depois de atuar nos três NGRs, Severino abraça a missão de participar da coordenação dos três pactos em PE

1)Como era o ambiente no qual foram iniciados os trabalhos na SDS? Quais dificuldades foram superadas? Quais foram os desafios iniciais como analista e os resultados alcançados pelo núcleo da SDS?

Chegando na SDS me deparei com um trabalho em andamento e já com resultados expressivos. A maior dificuldade foi assimilar as funções, conceitos e responsabilidade de um trabalho que era novo para mim e para todos. Nossas referências de trabalho precisaram ser extraídas das pessoas que compunham o modelo devido a sua singularidade. Para superar estas dificuldades tivemos que nos apoiar nas pessoas que já estavam envolvidas neste trabalho para entender o funcionamento do modelo. Também fomos desafiados a criar novos métodos. Em 2010, o PPV superou a meta de 12% de redução no CVLI.

2) Como relação aos três pactos, como você analisa o papel deles para a melhoria da oferta de serviços públicos de qualidade?

Os pactos de resultados desafiam os gestores públicos a adotar um novo perfil de administração. Os gestores precisam assimilar a postura de nortear suas decisões para a obtenção do resultado pactuado. Este processo gera uma ruptura com conceitos arcaicos de gestão, melhora as informações disponíveis para o processo decisório e promove novas habilidades para as pessoas e novas metodologias para os processos. O resultado destas mudanças é a ampliação e qualificação das informações que gera melhores decisões e maior capacidade de execução, impactando positivamente a qualidade dos serviços públicos.

3)Você poderia exemplificar as contribuições dos analistas na construção dos mesmos?

Os analistas são produtores das informações do modelo e, no caso da gestão por resultados , são também a referência dos gestores neste processo. Sem os analistas, os gestores receberiam a missão, mas não teriam o aporte de dados e análises que lhe permitem rever seus processos e se orientar continuamente para os resultados.

4) O que mais você gosta entre as atribuições do cargo de analista?

Pessoalmente gosto muito de trabalhar com informações. Mas creio que a autonomia seja um fator desafiador para quem trabalha nos pactos. Embora exista uma necessária padronização em alguns processos, o analista que acompanha uma Gerência Regional pode fazer análises e discussões específicas que são diferentes da abordagem de outro analista que deve ser norteada ao contexto de outra Gerência Regional.

5) Nesse tempo em que atua na Seplag, que momentos você considera marcantes?

O início de cada novo trabalho. Cada área de atuação me obrigou a estudar temas diferentes e de aprender com perspectivas diferentes de trabalho. As reuniões dos pactos também são momentos marcantes nos quais as grandes decisões são tomadas. Obviamente são marcantes os convites para exercer novas funções. Aqui, aprendi que cargo não é um prêmio e sim uma responsabilidade.

6) Você esperava ser nomeado para o cargo de secretário executivo? Como você recebeu a notícia?

Havia outras pessoas tão ou mais qualificadas para o cargo. Como já havia substituído Bernardo em outras ocasiões, sabia que esta era uma possibilidade. Mas não ficava pensando nisto. Acho que temos que focar nas nossas missões e fazer sempre o melhor, independente de ocupar ou não um cargo em comissão.

7) Estar à frente dos três pactos requer domínio de cada um deles, capacidade técnica e de articulação. Quais seriam os desafios do secretário executivo Severino a partir deste ano?

Devo conhecer sim os dados, conceitos e pessoas envolvidos nos pactos. Evidentemente o conhecimento mais profundo de cada pacto está na cabeça das pessoas que trabalham o dia a dia nas secretarias. Acredito que este seja o motivo da acertada decisão de alocar fisicamente os analistas dentro das secretarias executoras. Como secretário executivo, devo estar atento ao andamento dos três pactos e zelar pelo alinhamento de suas ações com as diretrizes e metas do governo. Conhecimento e capacidade técnica são mais fáceis de adquirir, dependendo apenas de dedicação. Já a capacidade de articulação é algo mais complexo que envolve, além de muito trabalho, tempo e capacidade de ouvir e expor ideias. Alguns articuladores são magistrais, como é o caso de Bernardo D’Almeida. Espero ter aprendido o suficiente com ele para fazer este trabalho continuar dando certo.

8) A carreira de gestor público tem alcançado notoriedade nos mais diversos níveis. Você acredita que há mais valorização da carreira pública? Quais os atrativos para o cargo de gestor público hoje? Que possibilidades ele oferece?

A carreira de gestor público é extremamente promissora. A valorização já é uma realidade em Pernambuco. Nossa associação tem feito um ótimo trabalho de divulgação e negociação. O núcleo do governo também tem se demonstrado interessado em estimular nosso crescimento por entender que isto agrega valor à administração pública. Temos que seguir fazendo a nossa parte, trabalhando em alto nível e mantendo uma postura profissional para nos habilitarmos a ser agentes de melhoria do serviço público.

9) Como você avalia o papel dos analistas dentro do panorama atual de Governo? Você vê boas perspectivas para o futuro?

Hoje somos uma carreira em crescimento. Mas temos que medir nosso crescimento em função da qualidade do nosso trabalho. A valorização da carreira não pode ser medida apenas pela quantidade de cargos em comissão ocupados e sim na expansão de nossa capacidade em assumir novas responsabilidades. Devemos adotar a filosofia da melhoria contínua para nossa carreira também. Acredito que ainda vamos crescer muito e ajudar o governo a dar saltos de qualidade nos números e nos processos organizacionais.

Secretário de Educação conclui pactuação de metas em todo o Estado

O secretário de Educação do Estado, Ricardo Dantas, concluiu a última etapa da pactuação de metas com gestores das escolas da rede estadual para a próxima edição do Idepe – Índice de Desenvolvimento da Educação de Pernambuco, encerrando o ciclo de reuniões itinerantes que passou por cada uma das 17 Gerências Regionais de Educação (GREs).

Em cada um dos encontros esteve presente também uma equipe da Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado (Seplag), que apoia a Secretaria de Educação (SEE) no monitoramento do PPE. Severino Andrade, gerente da Seplag lotado na Educação para acompanhar o PPE, foi o encarregado de capacitar os gestores escolares sobre a importância da gestão focada em resultados também no setor público. “Se a iniciativa privada já realiza a gestão por resultados buscando mais lucros, no governo temos que promove-la pensando em melhorar a qualidade dos serviços públicos para a população”, disse. “Vocês, ao assumirem a gestão escolar, deixam de ser apenas educadores para se tornarem administradores da coisa pública”, destacou.

O secretário de Educação também anunciou que dará atenção especial às escolas que obtiveram notas menores do que 3,0 no Idepe de 2011. Essas unidades de ensino vão receber acompanhamento prioritário do Pacto Pela Educação. Nos encontros regionais, os gestores se reuniram com a Seplag para serem melhor capacitados sobre a importância de usarem o monitoramento como um instrumento de diagnóstico das necessidades da escola. Além disso, os alunos dessas escolas receberão aulas de reforço em português e matemática.

Avanços no Pacto pela Educação

05.04.2013_Reunião de Monitoramento GRE Metro Norte_Créd Ademar Filho (30)

Karina Dantas na Reunião de Monitoramento GRE Metropolitana Norte (Foto: Ademar Filho)

O ano de 2013 começou com novidades no Pacto pela Educação (PPE). Além da inclusão de novas escolas no monitoramento de resultados, estão sendo realizadas reuniões com todos os atores envolvidos na melhoria dos índices educacionais.

Em 20/03, iniciou-se um ciclo bastante importante para o PPE. A SEPLAG e a SEE estão visitando todas as 17 Gerências Regionais de Educação, a fim de apresentar o PPE para todos os diretores e pactuar metas a serem alcançadas pelas escolas, com base no resultado do IDEPE 2013.

Nestes encontros, também são realizadas reuniões, lideradas pelo Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão (APOG) da Seplag responsável pelo acompanhamento da regional e pelo Gestor da Gerência Regional de Educação, com os diretores das escolas de menor rendimento no IDEPE. Vale ressaltar que nesse momento o papel do APOG é fundamental, pois ele é o responsável por fazer um panorama da situação da GRE, informando sobre o desempenho das escolas e detalhando os resultados ao nível de turmas e alunos. Além disso, através dessas reuniões, o Analista da SEPLAG aprofunda o trabalho com as unidades escolares, dissemina o modelo de Gestão por Resultados adotado pelo Governo, explora diretamente novos indicadores e elabora planos de trabalho objetivos (protocolos), em parceria com os diretores, para que estes implantem nas escolas.

12.04.2013_Reunião de Monitoramento em Garanhuns_Créd Ademar Filho (17)

Nathália Lins na Reunião de Monitoramento em Garanhuns (Foto: Ademar Filho)

Até o momento, foram realizadas reuniões em 15 Gerências Regionais de Educação, 36 reuniões com os grupos de escolas de menor rendimento no IDEPE e gerados 560 encaminhamentos voltados para a melhoria dos índices educacionais. É o Núcleo de Gestão por Resultados na Educação (NGR/SE) ajudando Pernambuco a avançar!