APOG publica trabalho no XVI SEMEAD – Seminário em Administração

O Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão e Doutorando do Programa de Pós-graduação em Administração (PROPAD) da UFPE, José Alberto de Siqueira Brandão, teve um trabalho aprovado e publicado nos anais do XVI SEMEAD – Seminário em Administração, promovido pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEAUSP), nos dias 24 e 25 de outubro de 2013. O trabalho foi realizado como atividade da disciplina Ciência e Conhecimento em Administração, escrito em conjunto com a pesquisadora Beatriz Gondim Matos da UFCE.

Intitulado “Análise da Administração Pública brasileira sob a ótica da matriz epistemológica de Faria: um estudo sobre artigos publicados no EnANPAD entre 2009 e 2012”, o trabalho apresenta um panorama sobre a produção científica acerca da administração pública brasileira publicada nos anais do principal evento da área de administração nos últimos anos. A partir da matriz epistemológica desenvolvida pelo ex-reitor da UFPR, Dr. José Henrique de Faria, o estudo aponta para a continuidade da predominância de estudos de caráter positivista/funcionalista e da limitada capacidade de análise do contexto societal demonstrada nos trabalhos em função da baixa incidência de abordagens fenomenológicas e crítico-materialista.

FOTO CV2

Anúncios

APOG participa de Conferência Internacional sobre Prevenção da Violência, em Cali/Colômbia

No período compreendido entre 26 e 29 de julho de 2013, foi realizada na cidade de Cali, na Colômbia, uma Conferência, promovida pelo Banco Mundial em conjunto com o Governo de Santiago de Cali, intitulada SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PREVENÇÃO DO CRIME E DA VIOLÊNCIA NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE. Na abertura, os objetivos do encontro foram apresentados pelo Prefeito de Cali, Rodrigo Guerrero; pelo Vice-Presidente do Banco Mundial na América Latina e Caribe, Hasan Tuluy; e pelo Presidente da República da Colômbia, Juan Manuel Santos Calderón.
O evento foi dividido em cinco sessões temáticas expositivas, quatro mesas de trabalho abertas para o diálogo e compartilhamento de experiências relacionadas a cada temática e três oficinas simultâneas sobre Planejamento Multissetorial de Segurança Cidadã.
A Comitiva de Pernambuco foi composta, além da Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão – Pâmela Alves, por:
Luiz Ratton, Professor Doutor da UFPE;
Eduardo Machado, Secretário executivo de Segurança Urbana do Recife;
Eduardo Alencar, Gerente de Análises Criminais da Secretaria de Segurança Urbana;
Erasmo Peixoto, Gerente Geral de Gestão Por Resultados na Defesa Social;
Rafael West, Gerente de Proteção Social Especial de alta Complexidade e coordenador do Programa Atitude.
Pâmela
Eduardo Machado, Pâmela, Prefeito Rodrigo Guerrero e Rafael West
Pâmela e Erasmo
Mesa com Prefeito de Cali. Vice Presidente BIRD Latino e Presidente da Colômbia
Pâmela, Erasmo e Eduardo Alencar

SEPLAG recebe alunos da CPEA 2013

No último dia 31 a Secretaria de Planejamento e Gestão (SEPLAG) recebeu, em nome do Governo do Estado, integrantes do Curso de Política e Estratégia Aeroespaciais (CPEA) 2013, o qual é ministrado aos coronéis da Aeronáutica que possuam condições de serem promovidos ao generalato. O objetivo da viagem de estudos foi aprofundar o conhecimento quanto à interação das Políticas Públicas de Desenvolvimento e Segurança Pública em Pernambuco.

Na oportunidade, o Secretário Executivo de Desenvolvimento do Modelo de Gestão Maurício Cruz explanou sobre o Modelo Todos por Pernambuco e demonstrou a evolução de alguns indicadores sociais importantes, como Educação, Saúde, Geração de Emprego e Aumento de Renda. No segundo momento, o analista de Planejamento, orçamento e gestão do Núcleo de Gestão por Resultados na Defesa Social (NGR/SDS) Ryan Amorim apresentou o Pacto pela Vida (PPV), desde o diagnóstico realizado antes da elaboração do plano, passando por seus diferenciais e ações até a demonstração dos resultados alcançados. Ao final, os Oficiais-Alunos fizeram perguntas sobre diversas questões e agradeceram pela oportunidade de conhecer um pouco sobre as políticas realizadas em Pernambuco.

DSC_5719 DSC_5726 DSC_5688 DSC_5796 DSC_5803

Analistas participam do II Workshop PRODEV

No último dia 28 de maio foi realizado na Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, em Belo Horizonte, o II Workshop do projeto PRODEV (Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Gestão para Resultados nos Estados e Distrito Federal).  O encontro teve como objetivo capacitar os técnicos representantes dos estados para a utilização do Sistema Informatizado de Pesquisa Salarial e de Indicadores de Gestão para Resultados (Sipsig) nas áreas da Saúde, Educação, Segurança Pública e Pesquisa Salarial. As analistas de Planejamento, Orçamento e Gestão (APOGs) da Secretaria Executiva de Gestão por Resultados (SEGR) Nathália Vieira e Yluska Reis participaram do workshop representando, respectivamente, às áreas da Saúde e da Segurança Pública de Pernambuco.

(13.06.04) II PRODEVEm 2012, o projeto realizou pesquisas salariais e de indicadores de gestão para as áreas de Saúde, Educação e Segurança Pública nos estados e no Distrito Federal (ano-referência 2011) e construiu um banco de dados que deve servir para que os estados avaliem seu desempenho em cada área. Na oportunidade, além de Nathália (Segurança Pública) e Yluska (Saúde), a APOG Norma Selene contribuiu na área da educação. Conforme os executores da pesquisa, os indicadores “possibilitarão a identificação das práticas com melhores níveis de desempenho nas diversas áreas/atividades e irão auxiliar o processo de discussão e formulação de políticas públicas e a avaliação dos seus resultados, permitindo a construção de critérios claros para a priorização de políticas e programas e a alocação de recursos”.

APOGs participaram de Workshop Internacional

foto

Cinthia Albuquerque e Bruna Alquete dentre os brasilheiros participantes do Workshop

No período de 07 a 21 de abril de 2013, três servidores do Governo de Pernambuco participaram do Workshop Internacional de Pesquisas e Avaliação de Impacto de Políticas Públicas, projeto de iniciativa do Banco Mundial, em parceria com o Banco Interamericano e o Massachusetts Institute of Technology (MIT). As representantes da SEPLAG no curso foram as Analistas de Planejamento, Orçamento e Gestão (APOGs) Bruna Alquete e Cintia Albuquerque, respectivamente lotadas no Núcleo de Gestão por Resultados na Educação (NGR/SEE) da Secretaria Executiva de Gestão por Resultados (SEGR) e na equipe de Captação da Secretaria Executiva de Planejamento, Orçamento e Captação (SEPOC).

O referido curso, que acontece a cada 2 anos e é voltado para um público restrito de 150 pessoas, visa desenvolver profissionais capazes de realizar avaliações de impactos das políticas públicas e compreender a concepção e a implementação de pesquisas nesta área. Por ser um workshop com integrantes de diversos lugares do mundo, proporcionou uma rica troca de experiências com profissionais da área de gestão pública, além do contato com as principais referências acadêmicas da área.

001 GRADUADOS

Participantes do Workshop no Chile

Durante o curso, os representantes do Governo de Pernambuco focaram a sua participação no desenvolvimento de propostas de avaliação de impacto de políticas nas áreas da Saúde e da Educação. Mais especificamente sobre a área da saúde, foi construída uma proposta de desenho de implementação e avaliação de impacto de uma Política de bonificação por desempenho para os profissionais da atenção básica. A bonificação por desempenho já vem sendo implementada em diversas setoriais do Estado e o Governo está estudando a viabilidade da sua implementação na área de saúde, cuja proposta de avaliação elaborada durante o curso será de extrema relevância para tomada de decisão sobre o assunto.

APOG participa de Visita Técnica em Brasília e Belo Horizonte

Com o intuito cumprir o objetivo estratégico de “Consolidar a gestão pública eficaz, ampliar o investimento governamental e valorização servidor”, alunos da 1ª Turma do Curso de Especialização em Gestão Governamental promovido pela Secretaria de Administração (SAD) através da Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco (FCAP/UPE) estiveram, entre 06 e 10 de maio de 2013, na Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) em Brasília e na Fundação João Pinheiro em Belo Horizonte, escolas de referência no âmbito nacional.

DSC_0192

Servidores de Pernambuco com presidente da Fundação João Pinheiro

A visita técnica objetivou proporcionar aos participantes uma formação mais ampla e a abordagem prática dos aspectos teóricos vistos em sala de aula, bem como a apresentação das práticas de gestão pública disseminadas pelas Escolas e o compartilhamento de experiências com as instituições. Para isto, foram selecionados os alunos com melhor desempenho de cada órgão representado no curso de pós-graduação. No caso da Secretaria de Planejamento e Gestão (SEPLAG), a selecionada foi a Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão (APOG) Pâmela Alves.

Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação reúne gestores para discutir experiências e novas práticas

images (3)Acontecerá entre os dias 25 e 27 de setembro deste ano o V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA), que pretende reunir cerca de 350 especialistas, acadêmicos, estudantes, gestores públicos e agências de fomento para mapear e discutir experiências de M&A na última década, a partir de relatos de práticas e resultados de avaliações concluídas ou em andamento de programas e políticas específicas.  A ideia é coletar informações suficientes sobre a experiências dos últimos anos e realizar uma reflexão sobre o futuro em termos de abordagens, metodologias e ferramentas para M&A.

 O evento será na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em São Paulo.

Mais informações, aqui

Compartilhando conhecimentos: Educação Continuada

“Educação continuada pressupõe a capacidade de dar vitalidade às competências , às habilidades e ao perfil das pessoas”

O fato de nunca sabermos tudo, ao mesmo tempo e de todos os modos, não significa que nada saibamos. A clássica frase socrática “só sei que nada sei” indica mais a humildade de saber-se individualmente ignorante em quase tudo do que declaração de incapacidade absoluta.

Certa vez fui perguntado como trataria a educação corporativa se fosse líder de uma empresa. A educação corporativa seria uma questão prioritária, mas não exclusiva. Afinal de contas, uma empresa precisa ter sustentabilidade de sua lucratividade, rentabilidade, produtividade e competitividade. A sustentabilidade nesses quatro tópicos advém de uma série de fatores: competência que ela desenvolve dentro do mercado, o tipo de produto com o qual ela lida, a capacidade de planejamento estratégico, mas depende também, essencialmente, do modo como ela maneja o estoque de conhecimento que dentro dela atua, que será exatamente nos colaboradores. Hoje, o trabalho das pessoas não pode mais ser entendido como commodity. Por isso, eu, se presidente de empresa fosse, faria da formação continuada algo prioritário, porque é nisso que se dá hoje a diferenciação no que se refere ao conjunto das organizações.

Essa educação continuada pressupõe a capacidade de dar vitalidade à ação, às competências, às habilidades, ao perfil das pessoas. E isso, entre outras coisas, traz uma multiplicidade de elementos, desde treinamentos até cursos de formação e especializações. E também a formação da sensibilidade, que é uma coisa central atualmente no mundo do trabalho, isto é, a facilitação de atividades que envolvem a sensibilidade estética no campo da música, da poesia, das artes plásticas, de maneira que aquele ou aquela que atue em uma empresa tenha inclusive um prazer grande pela estrutura do conhecimento em seus múltiplos níveis. Eu faria isso como presidente. Aliás, as empresas que estão indo céleres em direção ao futuro são aquelas em que o presidente faz isso. Se a liderança não estiver voltada para dar uma prioridade a essa temática da formação contínua, o máximo que ela terá é sucesso extemporâneo.

Há uma discussão nesse ponto, em que alguns argumentam que o fato de a empresa investir em cursos não significa necessariamente que ela vai estar mais bem preparada. Teria de ter aplicabilidade. Eu digo que a relação não é direta. Mas o inverso é direto. Isto é, investir em cursos, em formação, não significa que a empresa estará mais bem preparada porque não é automático. O contrário é automático: não investir na formação implica uma perda significativa de competência e de qualidade. Há uma clássica frase que diz: “Se você não acredita que educação é um bom investimento, tente investir em ignorância”. Não existe uma relação direta, linear, entre formação e aumento de competitividade, porque isso não é algo isolado que se coloque num ponto de vista exclusivo. Por isso, observo que um presidente precisa dar prioridade, mas não exclusividade, porque isso dependerá também dos equipamentos que se tem, da postura dentro do mercado, da capacidade de análise de cenários futuros e assim por diante. Se assim fosse, as melhores estruturas de organização seriam as universidades, afinal de contas, elas lidam o tempo todo com pesquisa, com educação continuada etc., e não necessariamente as universidades são as melhores organizações em termos de sustentabilidade.

Hoje, no mundo do trabalho, fala-se menos na formação de um generalista e mais na formação de um multiespecialista. Não se trata apenas de uma diferenciação de linguagem. É menos uma pessoa que esteja voltada para uma visão apenas genérica das coisas, mas aquele ou aquela que ganha autonomia para construir uma nova competência. Isto é, a clássica expressão usada pelo filósofo norte-americano que trabalhou na área de educação, John Dewey, que nos primórdios do século XX dizia: “É preciso aprender a aprender”. Aquele ou aquela que aprende ganha autonomia. Por isso não se pode atuar no campo empresarial apenas para formação estratégica, porque ela trabalha num prazo mais dilatado. Também não se pode ser imediatista e trabalhar apenas para a semana seguinte com uma formação específica, e portanto, focada e limitada. É preciso equilibrar as duas coisas. A palavra “equilíbrio” tem a ver com balança, “libra”, equilibrar a balança é colocar os pratos em sua condição de uso mais adequado.

Uma empresa que não pense na formação de um multiespecialista fratura a condição de ir adiante com maior perenidade. Afinal de contas, a velocidade da alteração dos processos produtivos, dos conhecimentos, dos nichos de mercado é tamanha que a questão não é estar o tempo todo partindo, mas preparado para partir. Você não tem de formar uma pessoa para estar continuamente de partida para outro lugar. Ela tem de estar de prontidão, em estado de aptidão para partir para outra direção, se assim for necessário. E formar pessoas para autonomia exige que elas desenvolvam a sensibilidade, a capacidade de apropriar-se desse conhecimento e dar a ele aplicabilidade. Não basta que isso saia apenas do mundo da erudição, não é para formar eruditos, é formar pessoas que tenham condição de ter um conhecimento que tenha eficiência.

Aristóteles chamaria isso de causa eficiente. Não basta uma causa formal, é preciso ter uma causa eficiente, diria ele, que dê resultado. E empresas vivem de resultados, que são obtidos a partir da condição de competência que ela carrega.

Capítulo “Estoque de Conhecimento”, extraído do livro “Qual é a tua obra? Inquietações propositivas sobre gestão, liderança e ética”, de autoria de Mario Sergio Cortella (Editora Vozes)

Vamos publicar aqui no blog textos e artigos científicos sobre assuntos relacionados à gestão pública, orçamento, planejamento e educação. Tem alguma sugestão para compartilhar? Envie para o e-mail: noticias.aapog.pe@gmail.com

Dúvidas sobre Orçamento Público?

Entender as técnicas e detalhes do processo de elaboração do orçamento público brasileiro nem sempre é uma tarefa simples. Mas existe vasta literatura sobre o assunto na própria web, que pode ajudar o cidadão a entender melhor como funcionam as leis de orçamento e como elas interferem na aplicação dos recursos públicos.

No site do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão é possível acessar o histórico das atividades orçamentárias do País e baixar diversas publicações e estudos. Já no Portal do Senado Federal, é possível fazer download de vídeos explicativos, que abordam desde a importância do orçamento à criação do PPA, LDO e LOA.